sábado, março 07, 2009

“Acordar o seu Poder Adormecido (2)”


Qual é a diferença entre aqueles que fracassam e aqueles que conquistam o sucesso e uma extraordinária qualidade de vida?

Quantas pessoas conhecemos que possuem recursos extraordinários, habilidades e capacidades superiores, talentos diferenciados, educação privilegiada e não produzem os resultados que desejam?
E por outro lado, quantas pessoas conhecemos que possuem muito mais desvantagens do que vantagens e são capazes de produzir resultados fabulosos?

Prestemos atenção numa coisa: o que as pessoas podem fazer é drasticamente diferente daquilo que efectivamente fazem. O que elas podem fazer é maravilhoso, mas o que fazem é normalmente muito decepcionante.

A maioria das pessoas possui rótulos mentais sobre o sucesso e o fracasso.
Comummente o fracasso é associado à falta de capacidade de seguir em frente, de se dedicar a 100% ao alcance de um certo objectivo. Por sua vez, o sucesso é o oposto, traduz o resultado da dedicação de se empenhar a 100% em prol duma vida feliz.

O sucesso é conquistado continuamente, passo a passo, dia após dia, transformando-se num hábito, ou seja, aquilo que chamamos de sucesso não é mais de que, o resultado daquilo que fazemos a multiplicar pela apreciação pessoal ou valorização que lhe damos.
Fica aqui então um dos principais pressupostos da Programação Neurolinguistica: “Errar não existe, apenas existe feedback” (resultado das nossas acções).
E é isso que trata este desafio: diariamente, parte a parte e um pouco de cada vez, ajudar-nos a ampliar as nossas capacidades e a entrar em acção de forma cada vez mais eficaz e satisfatória.
Se melhorarmos apenas 1% em cada dia, imaginem qual será o resultado apenas num ano? Estamos a falar em obter resultados de forma fácil e duradoura: a cada dia fazer coisas simples, pequenas e onde os progressos sejam uma constante.

Há uma frase que realmente considero fascinante da Helen Keller: “Quando uma porta se fecha, outra se abre; o que acontece é que olhamos demasiado tempo para a porta fechada e deixamos de ver aquela que se abriu”.
Sugiro vivamente a conhecerem a história desta grande senhora, como o verdadeiro exemplo do sucesso: http://pt.wikipedia.org/wiki/Helen_Keller

O nosso futuro não tem que ser igual ao passado. Muitas pessoas não sonham na realização de grandes feitos porque simplesmente perderam a força interior.
Costumo encontrar muito frequentemente nos meus clientes, pessoas que por norma não se permitem a sonhar, pois é uma boa maneira de evitarem frustrações, ou seja, o não criar expectativas para não viver frustrações, o que normalmente acontece é que desconfiam quando a “esmola é grande”.

Caro leitor, pense neste momento, quais são as áreas da vida que, considera mais desagradáveis?
Pensemos em termos físicos, emocionais, espirituais, intelectuais, financeiros, relacionais, profissionais, etc…
Se nos encontramos insatisfeitos em qualquer uma destas áreas da vida, então devemos ficar muito felizes. Sabem porquê? Porque se estivermos satisfeitos com a vida que dispomos, não faremos nada para ascender a um nível mais elevado.
O sucesso traduz a grande armadilha, sobretudo, para as pessoas que se limitam a viver um dia após o outro. Se estamos infelizes, tal quer dizer que podemos melhorar. Este é o grande segredo que subjaz às grandes realizações e conquistas pessoais.

Não importa o que tenha acontecido no passado, não importa quantas vezes tenhamos tentado e falhado. Nada disto importa, esta é uma oportunidade totalmente nova para que comecemos a delinear a vida que tanto desejamos, e tudo o que necessitamos agora é disponibilidade e prontidão para seguir algumas das sugestões que iremos receber nestes artigos. Para isso, temos que estar dispostos a projectar uma nova vida, tal como faz um arquitecto.
A nossa vida actual não é mais do que o resultado da forma como a projectamos, e é claro que não basta projecta-la, é preciso acções rumo á realização do projecto e essas acções nem sempre dão resultado.
É isso que iremos abordar neste divertido percurso que pretendo desenvolver nas próximas edições.
Todos nós queremos ser bem sucedidos e felizes, mas poucas pessoas possuem determinação, vontade e dedicação suficientes para obterem maiores resultados. Queremos ser vencedores e acreditamos que merecemos obter grandes recompensas. Ninguém pode negar a veracidade desta afirmação.
Porém, para se ser médico, advogado, psicólogo, dentista, professor, engenheiro ou qualquer outra profissão são necessários anos de estudo, e para ser bem sucedido ou feliz não é diferente.
Bem hajam e boa viagem…

Espero os vossos comentários através do mail ou blog:
email: mig-ferreira@hotmail.com / blog: http://crescerportugal.blogspot.com/

1 comentário:

marta disse...

“Errar não existe, apenas existe feedback” (resultado das nossas acções).
E eu estou a "apanhar" pelas minhas acções. Podia ter feito tudo diferente e não fiz, durante 17 anos da minha vida. O que de positivo resultou foram as minhas duas princesas, sem dúvida os meus amores, as minhas luzes que me dão força para viver e não estar pior.

"O nosso futuro não tem que ser igual ao passado."...mas o passado não me sai da cabeça. Atormenta-me tudo o que de negativo vivi.
Felicidade? Existe? Ou existiram períodos de felicidade? Opto por esta última que são escassos de sentir e fogem nuns minutinhos.
Estou cansada de viver um dia após o outro, com alterações minimas. Essas poucas alterações dao-me, sem dúvida, prazer...mas é pouco, muito pouco.