terça-feira, junho 30, 2009

A importância do propósito

Como diria Vince Lombardi, “Todos têm a vontade de vencer, mas poucos têm a vontade de se prepararem para vencer”.
Muitas pessoas querem atingir grandes objectivos na vida e não têm as oportunidades para desenvolverem as suas potencialidades rumo a uma nova existência.
Muitas pessoas não se apercebem que a vida é muito curta para ser desperdiçada e a cada dia desperdiçam horas que podiam ser utilizadas a favor do seu desenvolvimento e realização pessoal.

Acredito que o destino da nossa vida começa a ser moldado quando decidimos, conscientemente, tomar conta do nosso próprio futuro.

Infelizmente, milhares de pessoas não decidem o que querem da vida e quando chegam ao leito de morte, percebem que tiveram uma vida pobre, triste e infeliz, uma vez que, na maior parte dos casos, poucas realizações conseguiram alcançar.
Há uma diferença entre vivermos a vida e moldarmos o nosso próprio destino, citando A. Chekhov que realmente diz tudo: “O homem é aquilo em que acredita”.

O que muitas pessoas não percebem é que o destino não é uma questão de sorte, mas sim de escolha, não é algo a ser esperado, mas sim a ser conquistado. Milhares de pessoas caem na armadilha de viver um dia após o outro, pois vivem anestesiadas com os acontecimentos do dia-a-dia. Vivem como se o sucesso fosse privilégio apenas de alguns, com sentimentos de desamparo e gastam o tempo em coisas e actividades que não as potencializam, nem comportam o senso de crescimento e realização.

Se olharmos, de forma pormenorizada, para pessoas que verdadeiramente conquistaram o sucesso, notamos que subjazem um rol de características comuns: têm um grande senso de propósito, definem os seus objectivos e procuram conquistá-los com a mesma intensidade com que necessitam do ar para viver.

Quando alguém vive em função dos seus propósitos, sente que está a operar uma grande diferença no mundo e diariamente ganha forças para evoluir e ultrapassar os diversos obstáculos.
Em 1953, a Yale University (E.U.A) realizou uma pesquisa com os alunos que estavam a terminar os estudos universitários. Esta pesquisa demonstrou que, apenas, 3% dos alunos que se estavam a licenciar possuíam um programa de planeamento pessoal. Vinte anos depois, constatou-se que os 3% que tinham planeado os seus objectivos, realizaram mais do que os outros 97% juntos. Não o fizeram por causa do seu alto nível intelectual, mas pela sua atitude de propósito.
A maior parte das pessoas gasta mais tempo a planear uma festa ou as suas férias do que a planear as suas vidas e, graças a isso, não raras vezes, passam por grandes períodos de dificuldade e insatisfação pessoal.

Existe uma lei na vida que se prende com o crescimento, a mudança e a evolução, e quando resistimos a esta lei, sofremos consequências gravíssimas. Somos seres vivos, e como tal, devemos manter-nos em crescimento, aos mais diversos níveis.

Tenho trabalhado nestes últimos anos com os resultados obtidos por pessoas que ignoraram esta lei e se esqueceram de procurar o seu auto-desempenho: depressão, ansiedade, stress; medo de seguir em frente nos diversos contextos; dificuldades de relacionamento e comunicação; baixo desempenho pessoal e profissional; uso de drogas e comidas em excesso; hábitos e comportamentos indesejados; E MUITO DINHEIRO GASTO COM A SAÚDE.

Existem muitas pessoas que andam à deriva, sem destino, e uma das coisas mais importantes para a nossa qualidade de vida é viver com objectivos fortes e inspiradores.

Se desejamos sair do nível em que estamos hoje, ou quem sabe, melhorar qualquer aspecto da nossa vida, precisamos de focar-nos no que realmente interessa e desejamos, em termos profissionais, físicos, emocionais, sociais, familiares, financeiros e espirituais.
Clareza é o nosso grande poder!

1 comentário:

DE MÂOS DADAS disse...

Acredito.
Obrigada