sábado, abril 16, 2011

Porque evitar o "NÃO" e a linguagem negativa.


O objectivo da linguagem é a comunicação entre os seres humanos, portanto quanto mais precisa for a linguagem, melhor será o resultado da nossa comunicação.
O que é a palavra não? Uma abstração. O "não", por si só, não diz nada, logo o cérebro fixa-se no que vem depois do "não".
As nossa mente para saber em que não pensar, precisam primeiro pensar.
Não pense num balão azul. Pense num balão azul.
Analise as duas frases acima. Em que pensou quando leu uma e leu outra?
Na mesma coisa, num balão azul.
Assim sendo, quando queremos obter um resultado, o melhor é referirmo-nos ao que queremos, por exemplo: Em caso de incêndio use a escada. É muito comum encontrarmos em muitos prédios: "Em caso de incêndio não use o elevador". Principalmente numa situação de pânico, é muito mais difícil e demorado pensar primeiro no que não fazer para depois pensar no que fazer. A linguagem mais rápida e que obtém melhores resultados é a linguagem afirmativa; dizer o que deve ser feito. O uso duma linguagem negativa provoca o comportamento que se quer evitar.
É muito comum encontrarmos em determinados sítios uma etiqueta onde está escrito: “Não se esqueça de…”. E, também, é muito comum esquecermo-nos nessas situações. Se a linguagem do aviso for mudada, será mais fácil atingir o objectivo: “Lembre-se de…”. Em muitos centros comerciais onde o estacionamento é pago, por vezes encontramos cartazes espalhados em todo o centro comercial que dizem: Não se esqueça de validar o ticket de estacionamento. E é muito comum encontramos pessoas a voltar do estacionamento que se esqueram de que? Validar o cartão.
O adequado sera: Lembre-se de validar o ticket de estacionamento.
Já teve, provavelmente, a experiência de pensar em "Não posso esquecer de ......." e obter o resultado de esquecer exactamente aquilo que na realidade se queria lembrar.
Qual o resultado que a campanha "Se conduzir… não beba…”. Ou “Não use drogas"?
O consumo de substâncias tem vindo a aumentar de ano para ano.
Além da palavra não, quanto mais a palavra droga é utilizada, mais é repetida, mais é reforçada e lembrada, levando muitos adolescentes a ficar cada vez mais curiosos a respeito, pois é por ser tão falada que decidem experimentá-la.
Não seria mais adequado dizer: Se beber álcool, chame um táxi ou peça uma boleia.
O foco de qualquer campanha deve estar no objectivo a ser alcançado e colocado numa linguagem afirmativa.
Em vez duma campanha pela não violência, é muito mais eficaz uma Campanha pela Paz.
A não-violência, traz-nos à mente imagens e situações de violência, que queremos evitar; e afasta as pessoas em vez de motivá-las, fazendo com que pensemos em violência em vez de paz.
Nunca, evite, e outras negativas, tem o mesmo efeito que um não.
Nas filas de trânsito, nunca tranque o cruzamento, evite trancar o cruzamento ou não tranque o cruzamento fazem-nos pensar na mesma coisa: trancar o cruzamento.
Deixe o cruzamento livre, é a linguagem afirmativa, objectiva e eficaz.
Você diria a alguém:
"Pinte esta parede de não azul". (qualquer cor, menos azul?)
Ou, "Não pinte esta parede de azul". (não é para pintar, ou não de azul? ou de que cor?)
Exemplos com crianças:
Não mexa nisto,           melhor, vá brincar com aquilo.
Cuidado para não cair                olhe o degrau, preste atenção à escada.
Em algumas situações é muito adequado usar o não:
Você não precisa de comer toda a comida que está no prato.
(Se você quer que a criança coma toda a comida).
Você não precisa ir estudar agora. (Se você quer que vá estudar agora).
São situações em que desejamos que a pessoa faça o que estamos dizendo que não.
Todos nós conhecemos pais, chefes e outras pessoas que, querendo ajudar, dizem-nos e aos outros o que não fazer. Pois o que fazem, de forma inconsciente, é chamar a nossa atenção exactamente para o que não queriam que fizéssemos. "Não se preocupe.", "Não entre em pânico", "Não fique aborrecido", "Não acho que você seja chato".
Usar a linguagem negativa consigo mesmo é algo que a maioria das pessoas faz.
"Não vou pensar mais nisto" e continuamos a pensar, "Evite comer doces se quer emagrecer", só para citar alguns exemplos. Existe a tendência a pensar no que não queremos fazer e, em seguida, muitas vezes, começar a fazê-lo.
Em vez de dizer o que não queremos, podemos dizer o que queremos.
Tente isto. Pense numa frase negativa que costuma dizer a si próprio e experimente transformá-la em afirmativa.
Em vez de dizer "Não quero comer doces" ou "Não quero engordar", tente dizer, "Quero comer comidas saudáveis" ou "Quero emagrecer". Isso não só é mais agradável como, na verdade, reorienta a mente e prepara-o para um número maior de realizações desejadas, focalizando as coisas positivas que quer que aconteça.
Se aplicar isto na sua vida, em breve vai começar a obter os resultados que desejam.
Bem hajam. Espero as vossas reacções…

4 comentários:

CECÍLIA disse...

Está de tal forma enraízado em nós a utilização do "não" como forma de informação ou chamadas de atenção, que será necessário praticar (muito e arduamente)para comunicarmos cada vez melhor e assertivamente. Boa! Bora lá treinar!

Maria Teresa Serrenho disse...

Embora seja dificil, é possivel ir alterando a linguagem que utilizamos e na Educação por exemplo é fundamental! Se estamos sempre a dizer aos alunos "vocês não estudam", "não se interessam", não fazem os trabalhos"... estamos a reforçar o contrário do que efectivamente desejamos! Vamos fazer um esforço, pela positiva!...
Poderei postar esta sua análise no facebook?
Obrigada pelas suas dicas sempre tão oportunas e interessantes.
Maria Teresa Serrenho

Paulo disse...

Boa! Bora lá treinar Cecília!

Pessoalmente, gostava que houvesse mais umas horitas em grupo e sobe a supervisão do Miguel, aplica-se-mos a teoria em nós próprios e nos outros. Sei que existem cursos mais avançados, para quem assim o desejar. Mas com o conhecimento que nos foi transmitido, sabendo tirar partido do mesmo, poderemos optimizar-nos em muitos e diversos campos.
Cumprimentos à turma. PJ

Joaquim Santos disse...

É um exercício que me dá prazer e satisfação reorientar a mente e preparar para um número maior de realizações desejadas, a minha ambição de por em pratica PNL é sem limites é motivo para pensar, eu quero mais PNL!É muito bom sentir motivação e sentir que eu sou capaz OBRIGADO.